Pesquisar neste blogue comdeuseaverdadedeorobo

segunda-feira, 31 de agosto de 2020

Passando a limpo: Não houve doações de brinquedos nas escolas Municipais de Orobó ...



Depois de ler essa estranha publicação, sendo professora da Rede Municipal de Ensino de Orobó e lotada em uma escola que tem Educação Infantil, nunca presenciei a chegada desses brinquedos na José Miguel.
Porém ainda é mais curioso por esse ano ser um ano atípico, que as aulas foram suspensas desde março e que não tem previsão de volta, devido as condições estruturais das salas de aulas que não oferecem condições de distanciamento.
Como imprensa digital, nosso interesse é pela verdade. Fui passar a limpo. Perguntei a três mães com filhos na Educação infantil  se elas por ir levar e trazer os filhos na escola, tinham notícia desses brinquedos nesse ou em anos passados. Todas afirmaram que seus filhos nunca tiveram acesso a esses brinquedos, e nem nunca ouviram nem falar sobre eles.
Ficam as perguntas: Essa nota é verdadeira? As mães estão mentindo?
 Uma delas leu no blog e ligou para mim perguntando pela Diretora e quando iria entregar os brinquedos?
Nesse tempo de aulas remotas tenho conversado bastante com as mães, por conta do uso do celular delas para ajudar aos filhos. Muitas tem filho no 6º ano, mas também tem na Educação Infantil. Elas tem me perguntado sobre merenda, fardamento e agora por esses brinquedos. Sempre mando procurar a Direção, mas gostaria de saber: Alguém tem notícias desses brinquedos? Alguma escola recebeu? Na José Miguel não chegou. Quase meio milhão em brinquedos dá para montar uma fábrica em Orobó. O povo quer resposta. As mães devem se pronunciar. Se existe a licitação é porque existe recursos para esse fim. Se nunca chegou na escola, as crianças estão sendo usadas para fins de lucro indevido.
Por Madalena França.


Por Madalena França.

Justiça Eleitoral manda suspender a veiculação de Pesquisa da Potencial, divulgada pelo Blog do Magno para Petrolina, por não ser "confiável". Pesquisas do instituto têm sido questionadas em vários Municípios

Pesquisa que apontava percentuais exorbitantes para Miguel Coelho foi suspensa pela Justiça Eleitoral por suspeita de não ser confiável

 

O Juiz Eleitoral da 83ª Zona Eleitoral de Petrolina, Elder Muniz de Carvalho Souza, determinou, há pouco, liminar, determinando a cessação da divulgação da pesquisa PE-04103/2020, realizada pela empresa Potencial para o Blog do Magno Martins, até o julgamento de mérito da Representação Eleitoral ajuizada pelo Partido Verde. O Juiz ainda determina que o BLOG DO MAGNO MARTINS COMUNICAÇÃO LTDA providencie a suspensão da divulgação da pesquisa e que em seu lugar seja divulgada, no mesmo meio utilizado para inicialmente publicar a pesquisa,  que "por determinação judicial encontra-se suspensa a divulgação da pesquisa eleitoral anteriormente divulgada, comunicando, ademais, a toda rede de divulgação que eventualmente tenha fornecido a pesquisa ora em comento."
De acordo com a decisão, "No registro da pesquisa eleitoral sob o nº PE-04103/2020, diante das informações apresentadas, não se pode sequer verificar, por exemplo, se 100% (cem por cento) dos entrevistados são do gênero masculino ou feminino, analfabetos de baixa renda ou se são de alto grau de instrução e de nível econômico elevado, ficando assim prejudicada a análise da mostra apresentadas não se podendo conhecer à qual realidade o resultado da pesquisa registrada e divulgada está inserido. O que percebe é que a POTENCIAL CONSULTORIA E PESQUISAS EIRELI / POTENCIAL CONSULTORIA E PESQUISAS não se cuidou de apresentar os percentuais para as variáveis de sexo, idade, grau de instrução e nível econômico de forma que se viabilizasse o cotejo com o universo populacional. Ressalte-se que ainda mesmo que utilizada a técnica conhecida como amostra não probabilística, deveria ter sido consignado os percentuais encontrados no campo quanto aos aspectos acima referidos. Desta forma, é imperioso reconhecer que, com as informações prestadas no registro da pesquisa eleitoral sob o nº PE-04103/2020, e considerando a ausência de percentuais, o que, consequentemente, inviabiliza a verificação das características da amostra, restando comprometido o seu intervalo de confiança." 
Em Petrolina, a Pontencial atribuiu ao prefeito Miguel Coelho, candidato à reeleição, 73% das preferências dos entrevistados, o que acabou por chamar mais ainda a atenção sobre a possibilidade do levantamento apresentar falhas, o que acabou sendo confirmado pela própria Justiça Eleitoral.
As pesquisas da Potencial que já foram realizadas para Recife, Cabo, Jaboatão e Olinda, além de Petrolina, têm sido alvo de vários questionamentos, inclusive por não apresentarem sequer quem estaria financiando seus custos. Depois de vários questionamentos, a empresa passou a emitir notas fiscais em nome do Blog que divulga as pesquisas. 
O mais interessante no caso dessa empresa é que o próprio editor do Blog que divulga as pesquisas da Potencial achou estranho o resultado da segunda rodada de pesquisas para a Capital pernambucana, mas ainda assim continuou se utilizando de seus serviços para realizar a pesquisa agora suspensa pela Justiça Eleitoral. Confiram: Não há razão para queda de Mendonça. Outro fato curioso é que a pesquisa foi impugnada pelo PV, Partido que o prefeito Miguel Coelho havia anunciado como um dos que apoiariam sua reeleição.
Confiram também:
Fonte : Noelia Brito
Postado por Madalena França.

Dica de saúde: benefícios do chá de louro...

Bruno Moura
"*Folhas de Louro.
🍂🍃🍂🍃🍂🍃🍂🍃🍂
Muitas pessoas adicionam folhas de louro aos nossos alimentos, especialmente carne vermelha e carne de pássaro
Você não sabe por que as folhas de louro são adicionadas à comida?
Quando uma mulher pergunta por que, ela diz: para dar sabor à comida.
Se você ferver as folhas de louro em um copo de água e prová-lo, não terá nenhum sabor.
Então, por que você coloca folhas de louro na carne?
A adição de folhas de louro à carne, converte triglicerídeos em gorduras mono, e para experimentação e confirmação:
Corte o frango ao meio e cozinhe cada metade em uma panela e coloque numa uma folha de louro, e na outra sem folha de louro e observe a quantidade de gordura nas duas panelas.
Se você tem folhas de louro, não há necessidade de uma farmácia.
Estudos científicos recentes mostraram que as folhas de louro têm muitos benefícios.
Ajuda a se livrar de muitos problemas e doenças graves de saúde,
São os benefícios da folha de louro:
1- A folha de louro trata distúrbios digestivos e ajuda a eliminar as protuberâncias.
2- Azia,
3- Acidez
4- Constipação,
5- Ele regula o movimento intestinal, bebendo chá quente de louro.
6- Reduz o açúcar no sangue e a folha de louro também é um antioxidante,
7- Ele permite que o corpo produza insulina comendo-a ou tomando chá de louro por um mês.
8- Elimina o colesterol ruim e alivia o corpo de triglicerídeos.
9- Muito útil no tratamento de gripes, resfriados e tosse grave, pois é uma rica fonte de vitamina "C", você pode ferver as folhas e fazer inalação de vapor, para se livrar da fleuma e reduzir a gravidade da tosse.
10- A folha de louro protege o coração de convulsões e derrames, pois contém compostos de proteção cardiovascular.
11- Rico em ácidos como ácido cafeico, quercetina, eigonol e bartolinídeo, substâncias que impedem a formação de células cancerígenas no corpo.
12- Elimina insônia e ansiedade, se tomado antes de dormir, ajuda a relaxar e dormir em paz.
13- Beber uma xícara de folhas de louro cozidas duas vezes ao dia quebra pedras nos rins e cura infecções ...
Obs. Não Leia e guarde só para você! Ajude-nos a compartilhar para beneficiar outras pessoas.
🍃☝🏻🍂☝🏻🍃☝🏻🍂☝🏻🍃👍🏽

Aulas presenciais são liberadas em universidades de Pernambuco


Blog Cenário

As aulas presenciais para alunos do ensino superior serão retomadas gradualmente a partir de 8 de setembro, em Pernambuco. O anúncio foi feito em coletiva de imprensa, agora há pouco, pelo secretário de Educação, Esporte e Lazer, Fred Amâncio.

O último decreto de suspensão das aulas no estado encerra hoje. Com o anúncio, outros estudantes da educação básica continuam sem prazo para retornar às atividades. As aulas estão suspensas desde março quando a pandemia do novo coronavírus começou aqui no estado. Cursos livres e treinos de luta já tinham sido liberados pelo estado ainda neste mês.

Informações Dimas Santos
Postado por Madalena França.

Dilma: ‘O golpe é contra o povo e contra a nação’; veja o discurso histórico Pronunciamento histórico de Dilma foi feito em 31 de agosto de 2016 no Palácio Alvorada após a aprovação do impeachment

“Hoje, o Senado Federal tomou uma decisão que entra para a história das grandes injustiças. 
Os senadores que 
votaram pelo impeachment escolheram rasgar a Constituição Federal. Decidiram pela
 interrupção do mandato de uma Presidenta que não cometeu crime de responsabilidade.
 Condenaram uma inocente e consumaram um golpe parlamentar”, afirmou Dilma em 
pronunciamento no Palácio Alvorada após a decisão do Senado no dia 31 de agosto de 2016.
Nesta segunda-feira (31), o golpe de estado, via parlamento, completa quatro anos e o país
 afunda com um desastroso governo neoliberal e autoritário, liderado por um ex-deputado 
federal oriundo da extrema-direita e defensor da ditadura militar.
O discurso histórico de Dilma denunciou também o velho expediente golpista da direita 
tradicional, que perdeu quatro eleições consecutivas para a presidência da República:
 “Com a aprovação do meu afastamento definitivo, políticos que buscam desesperadamente 
escapar do braço da Justiça tomarão o poder unidos aos derrotados nas últimas quatro eleições
. Não ascendem ao governo pelo voto direto, como eu e Lula fizemos em 2002, 2006, 2010 e 
2014. Apropriam-se do poder por meio de um golpe de Estado”, disse a presidenta.
Leia a íntegra do discurso histórico da ex-presidente Dilma Rousseff:
Pronunciamento do dia 31 de agosto de 2016, no Palácio da Alvorada, após a aprovação do
 impeachment pelo Senado.
Do Blog do Esmael Morais
Postado por Madalena França

Convite especial; Você não pode perder live com eles, nossos futuros possíveis representantes: Thomás e Julia de David...

A imagem pode conter: 2 pessoas, texto que diz "LIVE 11 17:40 SET # para DE OROBÓ OROBO OBÓ EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DE OROBÓ 92Anos TRANSMISSÃO OFICIAL /thomas.brito5 f PSB OROBÓ"
Thomás Brito está com Livio Aguiar e 48 outras pessoas em Orobó, Pernambuco, Brazil.
Atenção amigas e amigos de Orobó⚠️😃
Fiquem ligados que no dia 11 de setembro acontecerá uma Live com Thomás Brito e Julia de David 💛.
A nossa live começará às 17:40, com transmissão através do Facebook do amigo Thomás Brito:
https://www.facebook.com/thomas.brito.5.
Sintam-se todos convidados a assistirem e participar conosco do nosso bate papo sobre Orobó 😍👏🙏🤝💛.
É ouvindo que chegamos ao entendimento. Mamos juntos que falta pouco.
Por Madalena França

Já comprou o seu para ficar no Brilho?


 
Se contarmos a partir de hoje são apenas 76 dias para o dia da vitória e o renascer da liberdade. Como eu contando os Dias? Conte com elegância, ficando na cor do sol...
Por Madalena França

COMO DATENA E OS PROGRAMAS PINGA-SANGUE ENSINARAM OS EVANGÉLICOS FUNDAMENTALISTAS A ODIAR


Do Blog do Professor Edgar Bom Jardim
Postado por Madalena França


Os programas sensacionalistas educaram o brasileiro no ódio ao bandido e parecem ter alcançado de forma particular o coração dos fundamentalistas.

É UMA LUTA que provavelmente as gerações mais jovens não conhecem. A guerra da televisão. Nos tempos de TV CRT de 30 quilos, anos 1990, era comum ter uma só em casa. Então, um controle-remoto dava um poder desproporcional a quem dele se apossava.
Na minha casa, quem detinha o poder era o pastor. Meu avô. Como um toque de recolher, minha liberdade de escolher o que ver na TV terminava todo dia às 4h da tarde. Era quando começava a maratona de programas favoritos dele. O primeiro era Carlos Alborghetti, o furioso apresentador que virou um meme. Depois o “Aqui Agora”, um ambicioso e bem financiado projeto de jornalismo sensacionalista, que duraria até 1997. Terminava com o Telejornal Brasil, de Boris Casoy. O primeiro de uma afiliada da TV Gazeta em Curitiba, os demais, por uma do SBT de Sílvio Santos. No total, a tirania do pastor sobre a TV durava cinco horas.
Talvez o velho estivesse se esbaldando com um novo vício. Ser pastor da Assembleia de Deus era guiar uma igreja na qual o consenso era que crente nem sequer devia ter TV em casa. Não chegava a ser proibido, mas passava a impressão que o dono da TV não tinha compromisso com o modo de vida cristão e permitia às tentações do mundo entrarem em casa pela antena. E, dentro do espaço possível na Assembleia na década de 90, meu avô era até moderno: não tinha nada contra calças para mulher ou cortar o cabelo. Dizia que essas coisas eram só costumes, não doutrina (isto é, são coisas não bíblicas, só hábitos da igreja). Mas TV mesmo, ele só foi ter depois de aposentado.
Mas quando teve uma, esbaldava-se em programas pinga-sangue. Hoje ou 30 anos atrás, quem viu a cobertura jornalística de um programa pinga-sangue, viu todas. “Travesti injeta silicone industrial e pede ajuda para não morrer” – apresentador chama de imbecil, mas ajuda. “Esposa queima marido com álcool”. “Marido esfaqueia esposa e joga no riacho”. Alguém faz sexo com animais. Crimes menos espetaculares. Gente pobre. Sempre o bandido tentando esconder a cara da câmera, o policial forçando. Alguns vítimas terminando tão humilhadas como seus abusadores. 


Jacinto Figueira Júnior, ‘O Homem do Sapato Branco’, foi um dos pioneiros no show de miséria nos anos 80.
 
Foto: Reprodução/Youtube - SBT

Crias da ditadura

Sempre odiei esses programas, mas até pouco tempo atrás nunca havia pensado na ideologia que eles transmitem. Quando eu vi o documentário “Bandidos na TV”, na Netflix, me deu o estalo. Programas pinga-sangue estão entre os maiores eleitores de Bolsonaro: eles influenciaram os crentes a odiar não só o pecado, mas o pecador.
O pinga-sangue educou o brasileiro no ódio ao “bandido” – ódio também ao “amigo do bandido” e seus “direitos humanos”. Por diversas razões, parece ter falado de forma particular ao coração dos fundamentalistas, ajudando-os a desabrochar nas figuras agressivamente políticas do presente.
Um pouco de história: programas pinga-sangue têm origem nos tempos da ditadura. “Um dos pioneiros nesta linha foi Jacinto Figueira Júnior, que estreou, em 1966, o programa ‘O Homem do Sapato Branco e permaneceu no ar com seu show de misérias por vários anos”, escreveu o filósofo e teólogo padre Jaime Carlos Patias, em “O telejornal sensacionalista, a violência e o sagrado”. “Seu programa foi veiculado pela Bandeirantes, Globo, SBT e até mesmo pela TV Cultura, emissora teoricamente mais preocupada com o padrão de qualidade da sua programação.”
Jacinto começou na TV e depois foi também para o rádio. Várias outras figuras pioneiras, como Gil Gomes, Afanásio Jazadji e Carlos Alborghetti, começaram como radialistas de noticiário policial antes do fim do regime. Em 1968, Gil Gomes descobriu que um crime sexual havia ocorrido no mesmo prédio de sua rádio e resolveu, pela primeira vez, cobrir ao vivo, andando com o microfone, inaugurando seu estilo dramático.
Nessa época, a ditadura e os sensacionalistas estavam mais ou menos em lados opostos. Jacinto, eleito em 1966 deputado estadual em SP pelo MDB, a oposição permitida pela ditadura, perdeu o mandato (por “atentado contra a moral e bons costumes”), em 1969, após o AI-5, e foi tirado do ar até 1979. Gil Gomes relatou que foi preso 30 vezes no período.
‘Sempre odiei esses programas, mas até pouco tempo atrás nunca havia pensado na ideologia que eles transmitem’.
A era de ouro do sensacionalismo viria na democracia. No momento em que a censura foi banida, com a Constituição de 88. Foi uma época em que as TVs partiram para testar os limites. Fausto Silva falando palavrão no meio da tarde – parece difícil de acreditar hoje, mas babaca e pentelho já foram palavrões. No SBT, surgia um programa baseado em mostrar seios, “Cocktail”. A banheira do Gugu. Em 1991, o já citado noticiário pinga-sangue “Aqui Agora” (que o Sílvio Santos, aliás, pretende trazer de volta).
É um paradoxo. A ditadura não se entendia com o pinga-sangue, mas no final das contas o pinga-sangue acabou por abraçar, reproduzir e divulgar talvez a mais duradoura herança da guerra suja, do porão da ditadura. A cultura da brutalidade policial, da ilegalidade, do grupo de extermínio.
Isso porque, nesse ramo, de certa forma, o papel do jornalista não é só ser simpático ao policial. Ele se confunde com o próprio policial. Em entrevista ao Intercept, o jornalista Danilo Angrimani, autor de “Espreme que sai sangue: um estudo do sensacionalismo na imprensa”, traz um exemplo antigo. “Essa ‘promiscuidade’ entre o repórter policial e a polícia não é nova. Lembro de Nelson Gatto, que prendeu, pessoalmente, um bandido e rendeu a manchete ‘Promessinha preso’, em letras garrafais no Última Hora, em 1958. Ou seja, ele não se limitava a informar. Ele mesmo ‘criava’ a notícia”.

Ritual na TV

Os dois estudiosos descrevem o papel do apresentador-sensacionalista como um agente da notícia. “O sensacionalismo opera em uma espécie de balança, atuando, às vezes, como transgressor e, em outros momentos, como ‘instrumento’ de punição”, afirma Angrimani. “O veículo sensacionalista, em alguns momentos, alardeia a quebra da ordem e, em outros, glorifica o restaurador da moralidade.”
O filósofo e teólogo Jaime Patias faz uma análise sob a ótica religiosa dos programas sensacionalistas. Com base no trabalho do filósofo francês René Girard, estabelece uma distinção entre violência sagrada e profana, suja e limpa, pecaminosa ou purificadora. Como funciona: as vítimas em um programa policial, lesadas pela violência profana, são resgatadas pela violência sagrada. “Quando um sistema ou instituição se coloca acima das demais instituições, ao combater a violência, o faz como violência purificadora”, afirma. “A sua atuação se dá numa dimensão religiosa, transcendental.”
Isto é a polícia, acima das leis, ocupando uma função sagrada, e o apresentador cumprindo um papel de sacerdote, numa espécie de ritual de expiação do pecado. “No apresentador [José Luiz] Datena, do Brasil Urgente, percebe-se traços característicos de mediador religioso que se pretende purificador ante a violência comum”, define.


O jornalista e radialista Gil Gomes do “Aqui e Agora”, levado ao ar pelo SBT.
 
Ari Vicentini/AGE via Estadão Conteúdo
E aqui retornamos ao meu avô. Patias defende que essa relação do espectador com o apresentador é uma substituta da religião. “De certa forma, a mídia é, ao mesmo tempo, produtora da notícia e detentora das grandes verdades e soluções. Dessa forma, ocupa o lugar que outrora foi de Deus, como a verdadeira religião a quem a pessoa recorre.”
Não consigo imaginar meu avô pastor realmente trocando Deus por Datena. Acredito que é algo que corre em paralelo. Uma espécie de sincretismo, digamos assim.
Quando a gente brigava pelo controle da TV, eu achava que o entusiasmo do meu avô por programas policialescos era mero mau gosto, falta de estudo – apesar de, por causa de sua profissão, o pastor ser o único na família a ter uma biblioteca não era decorativa.
Mas a relação era mais profunda. Bíblica. A TV sensacionalista traz uma visão do mundo externo que condiz com o que os evangélicos fundamentalistas pensam. É um mundo caído, em pecado, onde a falta de Jesus no coração leva a todo tipo de abominação, de desgraça, de vergonha. A violência profana da qual fala o professor Patias, que domina o mundo fora da igreja. Ou simplesmente “O Mundo”, como gostam de falar.
Basicamente tudo na vida de um crente fundamentalista se divide entre O Mundo e a Graça, a vida em pecado e em comunhão com Cristo. Coisas d’O Mundo são ruins: música, filmes, ciência que contradiz a Bíblia, bebida, drogas, sexo, tudo o que pode levar o crente a se perder. Um filme ou música profana são a porta de entrada do Diabo na vida de alguém. O objetivo da vida de um evangélico fundamentalista é viver ao máximo segregado d’O Mundo. Essa era a razão para os crentes antigos rejeitarem a televisão.
“O pastor, ao falar para seus fiéis, cita o Diabo como responsável por todas as transgressões”, afirma Danilo Angrimani. O crente precisa se afastar do Diabo, para não pecar mais, para não transgredir.” Os pinga-sangues mostram a vida profana, o mundo do Diabo, exatamente como os crentes o imaginam.
‘Os pinga-sangues mostram a vida profana, o mundo do Diabo, exatamente como os crentes o imaginam’.
Do lado oposto, eles já trazem uma visão que se parece com a do policial encarnado em anjo vingador por esses programas. Uma cultura de autoridade, de leis duras, de tradições pétreas e de guerra – uma guerra constante com o Mundo, o pecado, como é a “guerra” contra o crime do policial militar brasileiro. Uma cultura na qual o bandido está do lado do diabo, em que é basicamente um possesso. E uma cultura policialesca na qual aqueles que se opõem às ações da polícia são como pedras no caminho desse trabalho sagrado. Defender os direitos humanos dos encarcerados e dos alvos da polícia é estar do errado da guerra santa contra o crime. Os que fazem isso costumam ser os mesmos que defendem aborto, religiões afro e “gayzismo”. A esquerda, assim, passa a ter algo de satânico.
Em um programa de 2010, José Luiz Datena demonstrou, de forma transparente, essa relação. Atribuiu a execução de uma criança de dois anos à “ausência de Deus”, num nietzschianismo vulgar.
“Esse é o exemplo típico de um sujeito que não acredita em Deus. Matou um menino de dois anos de idade. Essa gente é quem mata, enterra pessoas vivas, quem estupra, quem violenta nossas mulheres. (…) É por isso que o mundo está essa porcaria, guerra, peste, fome e tudo mais. São os caras do mal. (…) Quem não acredita em Deus não tem limite. Quem não acredita em Deus não respeita limite porque se acha o próprio Deus”.
O insulto mobilizou os descrentes do Brasil. Datena acabou perdendo judicialmente contra a Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos, a Atea. Mas o resultado foi, segundo o presidente da entidade, “vinhetas bem aguadas e genéricas sobre tolerância religiosa”.
Da minha parte, na época, soou uma coisa óbvia a alguém como Datena dizer. Um insulto no topo de uma montanha. Datena – e pouco importa o que pense ou diga sobre Bolsonaro em si – representa uma faceta central desse bolsonarismo ancestral no qual eu fui criado.
Mas poderia ter sido diferente. Eu mesmo nunca imaginei que um dia haveria um presidente “deles”. Quem sabe os crentes fundamentalistas – e o Brasil – tivessem ficado melhor se continuassem sem televisão.
Professor Edgar Bom Jardim - PE